09/2017 - Blog da Fórmula-1 de Daniel Dias - Dias ao Volante

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Classificação para o GP da Malásia

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

1) L. Hamilton – Mercedes – 1min30s076
2) K. Raikkonen – Ferrari – 1min30s121
3) M. Verstappen – Red Bull – 1min30s541
4) D. Ricciardo – Red Bull – 1min30s595
5) V. Bottas – Mercedes – 1min30s758
6) E. Ocon – Force India – 1min31s478
7) S. Vandoorne – McLaren – 1min31s582
8) N. Hulkenberg – Renault – 1min31s607
9) S. Perez – Force India – 1min31s658
10) F. Alonso – McLaren – 1min31s704

11) F. Massa – Williams
12) J. Palmer – Renault
13) L. Stroll – Williams
14) C. Sainz Jr – Toro Rosso
15) P. Gasly – Toro Rosso

16) R. Grosjean – Haas
17) K. Magnussen – Haas
18) P. Wehrlein – Sauber
19) M. Ericsson – Sauber
20) S. Vettel – Ferrari – não treinou



Resultado do treino livre 3 para o GP da Malásia

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

1) K. Raikkonen – Ferrari – 1min31s880
2) S. Vettel – Ferrari – a 0s162
3) D. Ricciardo – Red Bull – a 0s211
4) V. Bottas – Mercedes – a 0s449
5) L. Hamilton – Mercedes – a 0s659
6) M. Verstappen – Red Bull – a 0s699
7) S. Perez – Force India – a 1s329
8) F. Massa – Williams – a 1s360
9) E. Ocon – Force India – a 1s410
10) S. Vandoorne – McLaren – a 1s441
11) F. Alonso – McLaren – a 1s650
12) L. Stroll – Williams – a 1s658
13) K. Magnussen – Haas – a 1s907
14) N. Hulkenberg – Renault – a 1s991
15) C. Sainz Jr – Toro Rosso – a 2s044
16) P. Gasly – Toro Rosso – a 2s326
17) J. Palmer – Renault – a 2s595
18) R. Grosjean – Haas – a 3s034
19) M. Ericsson – Sauber – a 3s056
20) P. Wehrlein – Sauber – a 3s165



Muitas atrações em Sepang

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

O último GP da Malásia, que sai de cena a partir do próximo ano, tem muitos ingredientes para segurar a atenção nas madrugadas de sábado e domingo. A começar pela batalha entre Lewis Hamilton e Sebastian Vettel, continuando com a possibilidade de verdadeiros dilúvios, na classificação em especial, o crescimento da Red Bull na temporada e a estreia do francês Pierre Gasly no lugar do russo Daniil Kvyat na Toro Rosso. O atual campeão da F-2 correrá com o número 10.
Enquanto Vettel está otimista por um bom rendimento da Ferrari em Sepang, Hamilton está muito ligado para não dar chance nenhuma para o rival, além de tentar apagar a péssima corrida do ano passado, a que, a grosso modo, representou sua perda do título para Nico Rosberg. O inglês liderava a prova até quase a bandeirada de chegada, mas um estouro do motor jogou tudo no ralo. Não, Mercedes, aquilo eu não esqueci. Voces mexeram no motor do Hamilton em benefício do alemão Nico.



Vettel otimista na Malásia

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

Sebastian Vettel demonstrou um otimismo raro em se tratando do tetracampeão, normalmente mais reservado nestas oportunidades. Falando no circuito de Sepang, o piloto alemão de 30 anos disse que acredita em uma Ferrari muito veloz no circuito malaio no próximo fim de semana, para combater o favoritismo da Mercedes e de Lewis Hamilton, o líder do campeonato, 28 pontos à frente de Vettel.
O piloto da Ferrari tem um bom histórico de reação, mais notadamente em 2010, ano de seu primeiro título, na Red Bull, quando conseguiu reverter uma situação amplamente favorável ao seu companheiro Mark Webber e Fernando Alonso, da Ferrari.
A equipe italiana dominou completamente a primeira corrida no circuito de Sepang, em 99, com Michael Schumacher retornando após ter sofrido fratura na perna esquerda no GP da Inglaterra. Naquele ano, o futuro heptacampeão tirou do páreo a super McLaren de Mika Hakkinen e deu a vitória de presente para o companheiro Eddie Irvine, que disputava o título contra o finlandês. No entanto, na última etapa, no Japão, Hakkinen confirmou o bicampeonato.



Kvyat dança na Toro Rosso

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

Como já era esperado, o russo Daniil Kvyat, namorado da filha de Nelson Piquet, a Kelly, dançou do posto de titular na Toro Rosso. Com apenas quatro pontos somados na temporada, ante 48 do companheiro, o espanhol Carlos Sainz Jr., que já foi anunciado pela Renault para 2018, Kvyat já não corre no próximo fim de semana, na Malásia, 15ª etapa do ano.
O jovem francês Pierre Gasly, de 21 anos, atual campeão da GP2 (F-2), pertencente à Escola de Talentos da Red Bull, assume o posto de Kvyat, que deve permanecer na "Família Red Bull", como disse o comunicado oficial da Toro Rosso, já no circuito de Sepang.
Gasly correrá com o número 10.



Quem vence na Malásia?

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

Pois é, vocês acreditam que será a última vez na Malásia? Pelo menos no atual contrato, os organizadores dizem que os custos da F-1 são astronômicos e não renovaram o vínculo. Torço para que revejam isto. Sepang é uma das pistas mais fascinantes do planeta. Enquanto isto, Hungaroring, Montmeló, Marina Bay, Hockenheim (o novo), nem gripe!
As apostas devem ser colocadas nos comentários deste post (clicando em "Ler tudo" no fim do post) ou serem enviadas para o meu e-mail (danieldias10259@gmail.com) ou (diasaovolante@diasaovolante.com) até cinco minutos antes do início do treino de classificação no sábado. Boa sorte!

Regulamento e itens para Sepang:
Pole: sobrenome do piloto - 5 pontos
Segundo do grid: sobrenome do piloto - 2 pontos
Vencedor: sobrenome do piloto - 25 pontos
Equipe com mais pontos na etapa: nome da equipe - 5 pontos
Quantos primeiros pilotos chegam à frente do companheiro na etapa (são os primeiros pilotos: Hamilton - Mercedes, Vettel - Ferrari, Ricciardo - Red Bull, Massa - Williams, Hulkenberg - Renault, Alonso - McLaren, Perez - Force Índia, Sainz Jr. - Toro Rosso, Grosjean - Haas e Ericsson - Sauber: vale 5 pontos
Segundo colocado da prova: sobrenome do piloto - 20 pontos
Terceiro colocado da prova: sobrenome do piloto - 15 pontos
Quarto colocado da prova: sobrenome do piloto - 10 pontos
Quinto colocado da prova: sobrenome do piloto - 5 pontos
Décimo colocado na prova: sobrenome do piloto.
Piloto com mais voltas na liderança: sobrenome do piloto - 5 pontos
Volta mais rápida da prova: sobrenome do piloto - 5 pontos
Último colocado da prova (segundo a cronometragem oficial da FIA): sobrenome do piloto - 15 pontos
Quantas vezes o safety car (o real, não o virtual) entra na pista na corrida: vale 5 pontos.
Gabaritar os cinco primeiros na ordem certa de classificação da prova - 15 pontos
Acertar os cinco primeiros no final da prova sem a ordem exata - 5 pontos

Para acompanhar ao vivo todos os lances do GP da Malásia:
Quinta-feira: 23h, primeiro treino livre, pelo SporTV.
Sexta-feira: 3h, segundo treino livre, pelo SporTV.
Sábado: 3h, terceiro treino livre, 6h, classificação, ambos pelo SporTV.
Domingo: 4h, pela Globo.



Valentino volta neste fim de semana

Dias ao Volante
Publicado por em MotoGP ·

Menos de um mês depois de ter sofrido fratura na perna direita em um treino de Enduro, Valentino Rossi foi liberado pelos médicos da MotoGP e estará na etapa de Aragão neste fim de semana.
Conforme exige o Código Médico da categoria máxima das duas rodas, um piloto que sofrer lesões nas pernas tem de passar por um teste para voltar à competição. Rossi testou no início desta semana em Misano com uma Yamaha YZF-R1M. O nove vezes campeão mundial teve de provar que tinha mais de 50% das condições na parte de baixo de seu corpo, além de ficar em pé em uma só perna por pelo menos 5 segundos.
Boa notícia. Já podemos voltar a acompanhar a MotoGP.



A futura McLaren/Renault

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

Criado na Renault, o francês Eric Boullier (foto), 44 anos, diretor da equipe McLaren, falou depois do GP de Cingapura sobre o rompimento com a Honda e a chegada da fabricante francesa como fornecedor de motores para o próximo ano. Acompanhe os principais trechos da entrevista.
- Quais os pontos que levaram ao rompimento com a Honda?
Eric Boullier: O momento crucial foi após os testes de Barcelona, ​​quando tentamos trabalhar e ajudar a Honda a melhorar a situação em um curto espaço de tempo, incluindo conversar com outros fabricantes de motores, mas isto não surtiu efeito. Então, durante as férias de verão, sabíamos que devíamos tomar uma decisão, ficar ou não ficar.

- A classificação em Cingapura parecia promissora, com ambos os carros indo para o Q3. Isto deixou em vocês uma sensação que a decisão de rompimento com a Honda era precipitada?
EB: Se você olha as características da pista, Cingapura é um pouco como Budapeste ou Mônaco e, neste tipo de traçado, a diferenciação de energia do motor é um pouco menos sensível. É quando podemos mostrar o potencial em que está em nosso carro.

- Com o rompimento com a Honda, a McLaren está efetivamente abandonando o status da equipe de fábrica para se tornar uma cliente de motor?
EB: É difícil de se dizer isto agora. Nós seremos clientes privilegiados da Renault. Teremos o mesmo motor e acesso a informações como tem a própria equipe da Renault e a Red Bull. Então, esta será uma verdadeira parceria com a Renault. Também temos a possibilidade de trabalhar com eles, colocar idéias para o futuro que possam ser levadas em consideração. Isso nos permitirá influenciar no futuro. Acreditamos que será o melhor para a McLaren para os próximos três anos.

P: E financeiramente? Em vez de receber dinheiro do parceiro (Honda) do motor, agora vocês terão de pagar pelo motor. Quanto custa isso?
EB: Bem, quando você olha nos últimos três anos, tem sido um desastre para nós em termos de credibilidade e na capatação por novos patrocinadores. Então, você tem que ter uma visão de longo prazo: para os próximos cinco anos. Tenho certeza absoluta de que voltaremos para onde a McLaren pertence de fato. E com este retorno, recuperaremos nossa credibilidade e reconstruiremos nosso portfólio de patrocinadores. Somos atualmente nono no campeonato. Com um motor superior, acho que seríamos o quarto. Com apenas o dinheiro recebido pela FOM, poderíamos cobrir o lado do motor. Então, não será um grande risco no lado financeiro. Nossos acionistas se mostraram corajosos o suficiente para ter uma escolha desportiva e não machucar a McLaren. Eles poderiam ter dito: "Vamos esperar até que a Honda se levante". Mas aprovaram o rompimento.

P: Havia muitas vezes a impressão do lado de fora de que McLaren falava uma coisa e a Honda, outra. Existe alguma verdade nisto?
EB: Não penso assim. Na verdade, a idéia foi ótima: reviver a histórica pareceria McLaren/Honda. Acho que foi mais um erro de abordagem no início do projeto. As coisas poderiam ter surgido de forma completamente diferente se tivessem sido tomadas decisões diferentes no início. Mas é fácil de a gente comentar isto depois do ocorrido.

- A Renault agora fornecerá motores à três equipes: sua própria, a Red Bull e a McLaren. Alguma terá privilégios?
EB: Pelos contratos, todas serão tratadas da mesma forma.

- Você conhece a Renault muito bem. Ser compatriota sempre tornam as coisas mais fáceis...
EB: Bem, tenho vivido agora por nove anos no Reino Unido, e você definitivamente pode sentir uma diferença na cultura. Quando se trata de entender diferentes culturas, penei bastante com a Honda. Mas sendo um estrangeiro no Reino Unido, às vezes, eu era o pacificador entre o Japão e os ingleses, tentando ajudar a superar as diferenças entre a Honda e a cultura McLaren. Mas, para ser sincero, já tivemos uma reunião sobre diferenças culturais com nosso novo parceiro. Você tenta facilitar as coisas para obter o melhor relacionamento possível.

- O Fernando Alonso faz parte do pacote? Ele ganhou seus dois títulos com a Renault, e certamente teria sido difícil convencê-lo a fazer uma quarta temporada difícil com a Honda...
EB: Sim e não. Para ser honesto, não acho que ele esteja neste estágio agora. O Fernando só está interessado em ter um carro competitivo. Isto é a parte dele. Nós, McLaren, estamos felizes que os acionistas tenham feito uma escolha desportiva e não uma escolha de negócios. O DNA da McLaren é de ser vencedora. Sabemos que temos um chassi decente. Sabemos fazer carro. Então, para nós, como um negócio, é importante sermos competitivos, independentemente do papel que o Fernando tenha. Tivemos que tomar esta decisão para nós. Mas se você quer ser competitivo, não precisa apenas de um motor, também precisa de um piloto fora da curva. É aí que o Fernando entra na foto. Fizemos o que fizemos pela McLaren, primeiro, mas o Fernando também é decisivo.

- Qual é a programação para os próximos dois meses?
EB: Estamos trabalhando no carro de 2018. Há muitas mudanças em termos de layout do motor, por isto, temos que redesenhar algumas das peças que já tínhamos desenvolvido. Estamos um pouco atrasados ​​em termos de decisão. Adoraria que a decisão de rompimento tivesse vindo umas semanas mais cedo. E precisamos fechar com o Fernando o quanto antes, para o próprio desenvolvimento do novo carro.

- A Toro Rosso será a equipe a ter os motores da Honda em 2018. Qual conselho você daria ao chefe da equipe italiana?
EB: Nenhum. Ele é um concorrente! (Risos)



O Bolão depois de Cingapura

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

A foto aí de cima não é do Sebastian Vettel, Kimi Raikkonen e Max Verstappen, mas poderia ser, pela trapalhada dos três na largada do GP de Cingapura. Os Três Patetas dos tempos atuais foram brigar pela primeira posição e entregaram a vitória de graça para o Lewis Hamilton, que deve ter se mijado de rir dentro do carro com a Sessão Pastelão noturna no Marina Bay.
Líder do Bolão, o Maurício, ao lado do Hamilton, não teve nada a ver com a patetice de Moe, Larry e Curly (adoro este gordo, o mais engraçado deles) em Cingapura e papou a etapa, com o Pedro e o Gabriel completando o pódio. Atenção, o campeão do ano passado, o Gabriel, já figura no Top Five.
A próxima parada é na Malásia, daqui a duas semanas.

PARÂMETROS UTILIZADOS EM CINGAPURA:
Pole: VETTEL
Segundo do grid: VERSTAPPEN
Vencedor: HAMILTON
Equipe com mais pontos na etapa: MERCEDES
Quantos primeiros pilotos chegam à frente do companheiro na etapa (são os primeiros pilotos: Hamilton - Mercedes, Vettel - Ferrari, Ricciardo - Red Bull, Massa - Williams, Hulkenberg - Renault, Alonso - McLaren, Perez - Force Índia, Sainz Jr. - Toro Rosso, Grosjean - Haas e Ericsson - Sauber: 6
Segundo colocado da prova: RICCIARDO
Terceiro colocado da prova: BOTTAS
Quarto colocado da prova: SAINZ
Quinto colocado da prova: PEREZ
Décimo colocado na prova: OCON
Piloto com mais voltas na liderança: HAMILTON
Volta mais rápida da prova: HAMILTON
Último colocado da prova (segundo a cronometragem oficial da FIA): RAIKKONEN
Quantas vezes o safety car entrará na pista na corrida: 3

CINGAPURA:
1) MAURÍCIO DIAS - 60 PONTOS
2) PEDRO HENRIQUE - 55 PONTOS
3) GABRIEL DIAS - 40 PONTOS
4) NATANAEL FELIPE RHODEN - 35 PONTOS
5) EDUARDO PARISE - 32 PONTOS
6) DANIEL CARDOSO - 30 PONTOS
6) DANIEL DIAS - 30 PONTOS
8) MARCELOS ANTONIO VIEIRA - 27 PONTOS
9) ANDRÉ BORGES - 25 PONTOS
10) GUILHERME VIEIRA - 15 PONTOS
10) MÁRIO GAYER DO AMARAL (PROFESSOR) - 15 PONTOS
12) FRANCISCO CAVALIN - 10 PONTOS
12) MAURO - 10 PONTOS
14) LUIS MAURO GONÇALVES ROSA - 5 PONTOS
14) LUIZ CARLOS HERRERA - 5 PONTOS
16) ROMÁRIO BRAGA - 0 PONTO
16) EDUARDO SARAIVA - 0 PONTO
16) MARCELO FARIAS PEREIRA - 0 PONTO
16) ERNANI LEONEL DIAS MÜZELL - 0 PONTO

TOTAL:
1) MAURÍCIO DIAS - 694 PONTOS
2) DANIEL DIAS - 653 PONTOS
3) PEDRO HENRIQUE - 636 PONTOS
4) FRANCISCO CAVALIN - 612 PONTOS
5) GABRIEL DIAS - 605 PONTOS
6) DANIEL CARDOSO - 588 PONTOS
7) EDUARDO PARISE - 541 PONTOS
8) LUIZ CARLOS HERRERA - 510 PONTOS
9) EDUARDO SARAIVA - 491 PONTOS
10) GUILHERME VIEIRA - 489 PONTOS
11) MÁRIO GAYER DO AMARAL (PROFESSOR) - 488 PONTOS
12) NATANAEL FELIPE RHODEN - 487 PONTOS
13) LUIS MAURO GONÇALVES ROSA - 456 PONTOS
14) MAURO - 442 PONTOS
15) ANDRÉ BORGES - 419 PONTOS
16) MARCELO FARIAS PEREIRA - 470 PONTOS
17) MARCELO ANTONIO VIEIRA - 260 PONTOS
18) ROMÁRIO BRAGA - 117 PONTOS
19) ERNANI LEONEL DIAS MÜZELL - 20 PONTOS



Hamilton vence em Cingapura

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·


De um sábado trágico, com Sebastian Vettel na pole position e  Lewis Hamilton na quinta posição no grid, o inglês tricampeão sai da prova de Cingapura com uma mão na taça. A reviravolta no cenário da décima quarta etapa da temporada aconteceu na largada. Vettel partiu na frente, Kimi Raikkonen largou muito bem e Max Verstappen ficou entre as duas Ferrari. Para defender o primeiro lugar, Vettel fechou a porta para o holandês, enquanto Raikkonen tentou passar pela esquerda.
Com isto, a roda dianteira esquerda de Verstappen bateu em Raikkonen que deu uma guinada em direção ao carro do companheiro. Apesar da batida, Vettel conseguiu continuar, fazendo a primeira curva em primeiro, sendo seguido pelo rival Hamilton. Em seguida, provavelmente com problemas de estabilidade vindos do choque com Raikkonen, Vettel rodou na pista molhada e bateu no muro, desistindo pouco metros depois. Verstappen e Raikkonen ficaram por ali.
A pergunta óbvia que vem é apenas uma: quem foi o culpado do choque triplo na largada? Os três. Na classificação de responsabilidades pelo incidente, a ordem seria esta:
1.   Raikkonen: embora tenha largado muito bem, o finlandês não tinha nada que se meter na briga, fartamente anunciada antes da largada, entre Vettel e Verstappen.
2.   Vettel: o tetracampeão viu que largara melhor que o Verstappen, e não precisava ter puxado o carro para cima da Red Bull.
3.   Verstappen: desta vez, o holandês é o menos culpado. Se tem alguma culpa, foi por não ter tirado o pé quando se viu no meio das duas Ferrari, sem espaço para continuar acelerando.
Sem nada a ver com a história, Hamilton se viu na liderança de uma corrida em que não podia brigar pela vitória em condições normais. A vitória caiu no colo do piloto inglês, que só teve de se preocupar com as três relargadas provocadas pelas entradas do safety car e manter Daniel Riccardo a uma distância segura, com Valtteri Bottas completando o pódio.
Nada mais se tem a dizer da décima quarta etapa do Mundial, porque nada a mais aconteceu.
Hamilton sai de uma prova desfavorável para a Mercedes com uma vantagem de 28 pontos sobre Vettel, faltando seis etapas para o final do campeonato. Com tanta diferença, o inglês pode até começar a administrar nas provas restantes. Mas isto se falando na lógica, pois sempre podem ocorrer fatos como o deste domingo. Portanto, ainda tem campeonato.



Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal