02/2018 - Blog da Fórmula-1 de Daniel Dias - Dias ao Volante

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Neve atrapalha pré-temporada

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·




O terceiro dia da primeira rodada da pré-temporada da Fórmula-1 simplesmente não existiu, devido aos reflexos do rigoroso inverno europeu deste ano, a não ser para as muitas brincadeiras dos integrantes das equipes com a neve que caiu implacavelmente sobre o circuito de Montmeló, na Espanha. A Mercedes inclusive fez um boneco de neve no pit line em frente ao seu box.
Somente Fernando Alonso deu uma volta pelo circuito, no final do dia, mas muito lentamente, completando com o tempo de 2min18s545. Para se ter uma ideia, Sebastian Vettel foi o mais rápido no dia anterior com 1min19s673.
Está previsto para esta quinta-feira o último dia de treinamentos da primeira rodada da pré-temporada, se o tempo permitir, naturalmente. Depois, o circo retorna para a segunda rodada, no mesmo circuito, de segunda a quinta da próxima semana.



Vettel e a Ferrari em primeiro

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

Sebastian Vettel colocou a Ferrari em primeiro no segundo dia de testes da pré-temporada, nesta terça-feira, no circuito de Montmeló, na Espanha. A Fórmula-1 está sentindo também os efeitos do rigoroso inverno na Europa. Até neve caiu nas cercanias do circuito. À tarde, aproveitando uma breve trégua no tempo, o tetracampeão conseguiu baixar a volta da casa de 1 minuto e 20 segundos, conseguido também por Valtteri Bottas, da Mercedes.
A McLaren experimentou de novo altos e baixos, mas completou em terceiro com Stoffel Vandoorne, à frente de Max Verstappen com a Red Bull e Carlos Sainz Jr. com a Renault, uma boa surpresa deste início de pré-temporada. Robert Kubica, piloto reserva da Williams, treinou nesta terça, terminando em sétimo. O polonês  levou vantagem sobre o russo Sergey Sirotkin, títular da equipe inglesa.
A primeira bateria de treinamentos na Espanha vai até quinta. A primeira etapa do Mundial está prevista para o dia 25 de março, na Austrália.

Tempos desta terça:
1. Vettel, Ferrari, 1:19:673 - 98 voltas
2. Bottas, Mercedes, 1:19:976 - 94
3. Vandoorne, McLaren, 1:20:325 - 37
4. Verstappen, Red Bull, 1:20:326 - 67
5. Sainz Jr., Renault, 1:21:212 - 65
6.Gasly, Toro Rosso, 1:21:318 - 82
7. Kubica, Williams, 1:21:495 - 48
8. Sirotkin, Williams, 1:21:822 - 52
9. Ocon, Force Índia, 1:21:841 - 79
10. Leclerc, Sauber, 1:22:721 - 81
11. Magnussen, Haas, 1:22:727 - 36



Red Bull sai na frente na pré-temporada

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·






O ano da F-1 teve início nesta segunda-feira, na primeira sessão da primeira fase da pré-temporada, no circuito de Montmeló, na Espanha. O australiano Daniel Ricciardo, da Red Bull, foi o mais rápido, seguido pelos carros das favoritas Mercedes, com o finlandês Valtteri Bottas em segundo, e o também finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, em terceiro.
Nesta primeira parte da pré-temporada, os testes vão até quinta desta semana. Depois, os carros voltam à mesma pista para a segunda fase de treinamentos, também de segunda a quinta, da próxima semana. A primeira etapa do Mundial está marcada para o dia 25 de março, na Austrália.
O alemão Nico Hulkenberg andou perto dos três primeiros nesta segunda e fez muitos elogios ao novo carro da Renault. O espanhol Fernando Alonso teve uma roda solta no treino da manhã e perdeu muito tempo para mostrar o potencial do bólido da McLaren agora equipado com motor Renault. O bicampeão voltou à pista mais tarde e finalizou o dia em quinto. A Force India, ainda com o mesmo nome de equipe, apresentou seu novo carro já no circuito espanhol, nesta segunda.
Choveu à tarde em Montmeló, e as equipes apenas testaram com pneus biscoitos, sem preocupação com o tempo de volta. Apesar de estarem mais pesados em relação aos carros do ano passado, os bólidos de agora foram mais rápidos no primeiro dia da pré-temporada em comparação ao primeiro dia de 2017, mais de um segundo e meio abaixo. O melhor tempo no ano passado foi registrado por Raikkonen no último dia de treino da segunda sessão da pré-temporada, com 1min18s634.

Os tempos de segunda-feira:
1. Ricciardo, Red Bull, 1:20:179 - 77 voltas
2. Bottas, Mercedes, 1:20:349 - 58
3. Raikkonen, Ferrari, 1:20:506 - 80
4. Hulkenberg, Renault, 1:20:547 - 73
5. Alonso, McLaren, 1:21:339 - 48
6. Sainz Jr., Renault, 1:22:168 - 26
7. Hamilton, Mercedes, 1:22:327 - 25
8. Hartley, Toro Rosso, 1:22:371 - 93
9. Stroll, Williams, 1:22:452 - 46
10. Grosjean, Haas, 1:22:578 - 55
11. Ericsson, Sauber, 1:23:408 - 63
12. Mazepin, Force Índia, 1:25:528 - 22
13. Sirotkin, Williams, 1:44:148 - 26



A limpeza da nova McLaren

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·


A McLaren finalmente mostrou o MCL33, o novo carro da equipe inglesa para a temporada deste ano, nesta sexta-feira, na Inglaterra. Apesar de ter afirmado que não usaria o tradicional laranja no modelo deste ano, a escuderia cedeu aos pedidos dos fãs da marca e resolveu usar a cor de fundação do time, feita pelo neozelandês Bruce McLaren na década de 60. E radicalizou mais: utilizou também o azul em alguns detalhes do carro, como no seu ano de estreia na F-1, em 66.
Segundo a equipe e Fernando Alonso, o MCL33 não é uma revolução, mas uma evolução do modelo do ano passado, quando era equipado com motor Honda, agora na Toro Rosso. O piloto espanhol disse na apresentação que está ansioso para estar atrás do volante "depois de três meses longe de um carro da F-1".
A McLaren usa motores da Renault pela primeira vez em sua história. No entanto, se o motor francês é uma novidade para a britânica McLaren, não é para Alonso. O espanhol conquistou seus dois títulos na equipe Renault, em 2005 e 2006.
Eu sempre comentei que o problema da McLaren/Honda na Era moderna era mesmo o motor japonês, porque carro a equipe inglesa sempre soube fazer. Visualmente, o MCL33 chama atenção pela incrível "limpeza" de suas linhas. Torço, e muito, para que a McLaren e Alonso voltem a disputar no pelotão da frente.



Novas Mercedes e Ferrari

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·


Mercedes e Ferrari não são apenas as duas maiores rivais na atualidade. As duas equipes deram um passo à frente das demais nesta quinta-feira apresentando seus novos carros com a presença de seus pilotos e demais integrantes dos times. Como antigamente.
Primeiro foi a Mercedes, revelando o W09. Depois da cerimônia para a imprensa, o carro foi levado para a pista de Silverstone, para um rápido shake down, com Valtteri Bottas pela manhã e Lewis Hamilton há tarde. O inglês tetracampeão disse uma frase que pode colocar as equipes pretendentes a lutar pelo título de cabelo em pé:
- É melhor do que o carro do ano passado em todos os aspectos.
Poucas horas depois do W09 foi a vez de a Ferrari mostrar, na Itália, o SF71H, com os pilotos Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen e também a equipe. O carro é uma evolução em relação ao do ano passado. No visual, a nova Ferrari se diferencia sobre todas as últimas pelo uso total do vermelho, inclusive no aerofólio dianteiro e na tomada de ar do motor. O branco está apenas em uma nova peça de prolongamento da tomada de ar.
Aliás, com a proibição da barbatana, as equipes estão utilizando esta peça, uma espécie de aleta de prolongamento da tomada, o que comprova que todas se espionam.
O shake down da Ferrari será feito no domingo, um dia antes do início da pré-temporada.
Nesta sexta, será a vez da McLaren apresentar seu novo carro, agora equipado com motor Renault. A curiosidade maior em torno da equipe inglesa é como ela vem "envelopada". A escuderia já adiantou que não usará a cor laranja.



Nova Toro Rosso aparece de adianto

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

Depois de fotos terem sido vazadas na internet, a Toro Rosso revolveu ela própria antecipar a divulgação do novo carro, o STR13, previsto para aparecer apenas na segunda-feira, dia 26, quando, aliás, se iniciam os primeiros treinos da pré-temporada, em Barcelona.
O neozelandês fez um shake down do STR13, abaixo de chuva, no circuito de Misano, na Itália. Portanto, tá aí a nova Toro Rosso.
Nesta quinta, Mercedes e Ferrari, é, as duas, mostram seus novos modelos.



Novos de Sauber e Renault

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·


A terça-feira de lançamentos na F-1 foi com os novos modelos da suíça Sauber e da francesa Renault. A primeira do dia foi a equipe do sueco Marcus Ericsson e do monecasco Charles Leclerc, agora chamada de Alfa Romeo Sauber, com o C37.
Depois, foi a vez do time do alemão Nico Hulkenberg e do espanhol Carlos Sainz Jr., com o R.S.18. Anotem aí: se este carro for bom, a Renault incomodarará neste ano. É uma grande dupla de pilotos.
Mercedes e Ferrari mostrarão suas máquinas na quinta.



A nova joia de Newey

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·


A Red Bull apresentou nesta segunda-feira o carro para o Mundial de 2018, o RB14, totalmente projetado por Adrian Newey, o que é um senhor aval para colocar a equipe austríaca no rumo do título com Mercedes e Ferrari. A escuderia mostrou o carro pela internet e, logo depois, foi levado para um shake down em Silverstone com Daniel Ricciardo. Tecnicamente, nada pode-se falar dos novos carros, pois as apresentações estão cada vez mais fechadas na Fórmula-1. Somente a partir do próximo dia 26, com o início da pré-temporada, em Montmeló, se poderá ter alguma noção de como as equipes estão parea a temporada. E olhe lá!
Não estranha as cores da nova Red Bull. Esta pintura estranha estará apenas nos testes da pré-temporada. Os nomes Aston Martin e Esso, no entanto, estarão pintados nos carros de Ricciardo e Max Verstappen durante todo o ano.



Os novos autinhos

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·


Haas e Williams foram as primeiras equipes a apresentar seus novos carros para a temporada, 35 quilos mais pesados, sem a barbatana e asinha T sobre a tomada de ar do motor e o Halo de proteção da cabeça do piloto, conforme prevê o novo regulamento da F-1.
O carro da Haas, de Romain Grosjean e Kevin Magnussen, é o VF-18, equipado com motor Ferrari. O modelo da Williams, de Lance Stroll e Sergey Sirotkin, é o FW41, equipado com motor Mercedes.

O calendário de apresentação dos novos carros segue assim:
Próxima segunda-feira – RB14, da Red Bull.
Terça – R.S.18, da Renault, e C37, da Sauber.
Quinta - Novo da Ferrari, ainda sem nome, e F1W09, da Mercedes.
Sexta – MCL33, da McLaren.
Domingo, dia 25 - Novo da Force India, equipe e carro ainda sem nome.
Segunda, dia 26 – STR13, da Toro Rosso, mesmo dia do primeiro dia da pré-temporada.



De onde vem os recordistas

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

Publicado originalmente no site Esporte de Fato, do meu irmão do Rio Luiz Humberto - A temporada 2018 da Fórmula-1 traz de volta ao calendário dois dos mais tradicionais países do mundo da velocidade, Alemanha e França. O primeiro – por conta da falência do circuito de Nürburgring -, reaparece de dois em dois anos, pois os dirigentes de Hockenheim alegam também a falta de grana para não sediar o GP da Alemanha todos os anos.
Já a etapa francesa, uma das sete corridas do primeiro campeonato, em 1950, está distante do Mundial desde 2008, na prova disputada no circuito de Magny-Cours, com vitória de Felipe Massa, de Ferrari. Ninguém sabe ao certo o porquê do longo intervalo de uma década sem o GP da França. Mas uma certeza está no ar: a corrida volta neste ano em Paul Ricard, autódromo que agora pertence ao titio Bernie Ecclestone, ex-manda-chuva do circo.
O retorno dos GPs só não é mais importante que os títulos dos dois países no campeonato de pilotos, o mais significativo da Fórmula 1, pois o de construtores interessa mesmo apenas aos integrantes da equipe campeã de cada ano, não ao público.
Apesar de serem pilares do automobilismo – com os circuitos de Nürburgring e Hockenheim (os grandes, antigos), especialmente o de Nordschleife com seus 22 quilômetros de extensão, e a equipe Mercedes pelo lado alemão, e as pistas de Reims, Clermont Ferrand e o próprio Paul Ricard e a escuderia Renault pelo lado francês -, ambos países só conseguiriam conquistar o campeonato na segunda parte dos anos 80.
O Brasil, por exemplo, celebrou seu primeiro triunfo, com Emerson Fittipaldi em 72, 13 anos antes de Alain Prost colocar a França na galeria de campeões da F-1. E apenas o pequenino "Professor", arqui-inimigo de Ayrton Senna, representa a França nesse espaço de glórias, com seus quatro títulos, ante os oito do Brasil.
A Alemanha teve de esperar outra década além dos franceses para levantar uma taça. Pioneiros no automobilismo, juntamente com a Inglaterra, Italia e a França, os alemães só chegariam lá com Michael Schumacher, em 94.
Entretanto, as sementes do heptacampeão germânico resultaram em outros dois nomes vitoriosos, o tetra Sebastian Vettel e Nico Rosberg, campeão em 2016. Schumacher e seus "discípulos" foram tão competentes que, em pouco mais de 20 anos, conseguiram colocar seu país como o maior ganhador de campeonatos, 12, ao lado da Inglaterra.
Prost foi também o primeiro colecionador de números expressivos na Fórmula 1, recordes todos pulverizados por Schumacher nos anos seguinte à aposentadoria do francês. Por muito tempo, as 27 vitórias do escocês Jackie Stewart permaneceram como uma marca improvável de ser superada.
Em 87, bicampeão com a McLaren, Prost deixaria Stewart finalmente para trás ao vencer o GP de Portugal e chegar a 28 vitórias, 14 anos após o escocês ter parado de correr. "Aberta a porteira", passou uma boiada, com Schumacher (91), Lewis Hamilton (62), Prost (51), Vettel (47), Senna (41) e Nigel Mansell deixando o velho Stewart a engolir poeira.
O circo e sua plateia saúdam com veemência a volta da França e da Alemanha ao calendário. Com relação aos pilotos e o protagonismo, apenas Vettel pode sonhar com a luta por mais um título. Porém, os franceses já são maioria no grid, com Romain Grosjean, na Haas, Pierre Gasly, na Toro Rosso, e Esteban Ocon, na Force Índia – esse, por sinal, é o maior talento vindo da terra do champanha depois de Prost.



Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal